A Microfisioterapia

A microfisioterapia é uma técnica de fisioterapia manual que consiste em identificar a causa primária de uma doença ou sintoma e estimular a auto-cura do organismo, para que o corpo reconheça o agressor (antígeno) e inicie o processo de eliminação.

Essa agressão primária deixou traços (cicatrizes) que atrapalham o funcionamento das células, esses traços ficaram guardados na memória do tecido, por uma deficiência do sistema imulógico que não conseguiu eliminar o agressor.

Através de uma técnica de micropalpação, o fisioterapeuta procura no corpo onde essas memórias se instalaram, provocando sintomas locais ou a distância. Uma vez encontrados tais traços, realiza-se manualmente atos que simulem a agressão e estimulem os mecanismos de auto-correção para o restabelecer as funções do organismo, eliminando assim doenças e promovendo a saúde.

As mãos do terapeuta mobilizam e estimulam os diferentes tecidos de acordo com o tipo de agressão. Esta técnica é aplicável em todas as às idades, num objetivo terapêutico ou não.

O tratamento pode ser preventivo ou curativo, sendo realizado após uma agressão ou um evento que perturbou o indivíduo a fim de auxiliar o corpo a reagir e promover sua auto-cura.

Seus princípios de cura são semelhantes aos da homeopatia, já que ambas seguem duas leis: a cura pelo infinitesimal (o medicamento diluído, a palpação mínima) e pela similitude (o semelhante cura o semelhante).

A técnica foi criada pelos franceses Daniel Grosjean e Patrice Bénini. Sua elaboração e formulação originaram-se na década de 70, quando iniciaram experimentos embasados na embriologia e na filogênese, aplicados na esfera muscular.

O nome MICROKINESITHERAPIE nasceu em 1982, discutido entre Daniel GROSJEAN e Dr. CARAYON, médico gastrologista, durante uma experiência com 60 pacientes sofredores de colopatia crônica. Esse estudo foi do tipo duplo cego, randomizado com 74% das atividades intestinais reabilitadas no grupo real, contra 38% no grupo placebo.

Cerca de 42 estudos científicos foram realizados, estes também incluem as missões humanitárias, que acontecem em países desfavorecidos e marcados por desastres, como o acidente nuclear em Chernobil, na Ucrânia, as crianças abandonadas na Rússia, e regiões da África ocidental.

Atualmente cerca de 5.000 microfisioterapeutas atuam na Europa, a maioria na França e na Bélgica. No Brasil, a técnica começou a ser difundida em 2003, tratando-se de um curso de extensão para médicos e fisioterapeutas, com duração de dois anos.

Dúvidas

  • Porque a microfisioterapia pode me ajudar?

    +

    Porque é fundada sobre um princípio natural e elementar da vida: ajudar o corpo a evacuar todos os traumas passados ou presentes que guarda na memória celular e que o impedem de funcionar bem, como pequenos grãos de areia numa mecânica. Diariamente, o nosso corpo luta contra agressões de todas as naturezas e diferentes intensidades, provindo do exterior (micróbios, toxinas, choques físicos ou emocionais) ou o interior (fraqueza de um órgão, cansaço, problemas existenciais). Geralmente, o nosso organismo autocorrige-se em silêncio sem que seja percebido. Contudo, se as infrações não forem identificadas, não reconhecidas ou muito fortes, o corpo não pode reagir de forma eficaz: a agressão deixa então uma espécie “cicatriz” nos tecidos, uma memória do acontecimento. Apesar deste vestígio, causar uma impressão de cura, o acúmulo destas memórias pode fazer com que uma dor apareça, uma doença se desenvolva, e que o corpo, se enfraqueça, sendo incapaz de lutar. Então, aparecem as dores e doenças crônicas.

    A microfisioterapia vai ajudar na eliminação natural destas memórias que enfraquecem o nosso organismo. Quando liberado o obstáculo, o corpo vai então poder reencontrar as capacidades que perdeu, às vezes mesmo após anos.

  • Quantas sessões são necessárias para se obter um bom resultado?

    +

    Para um sintoma dado, 3 sessões são o máximo. Normalmente, uma sessão é suficiente para se obter um bom resultado. A segunda sessão pode ser realizada dependendo de como se desenvolveu a primeira, se o terapeuta achar necessário ou se o paciente ainda apresentar queixas. As sessões deverão ser espaçadas de 3 semanas à 1 mês, para que o corpo tenha tempo de fazer seu trabalho. Se o problema for agudo, é provavelmente indicado duas sessões seguidas. Além disso, se 3 sessões não for o suficiente para reencontrar o vestígio deixado no organismo pelo acontecimento responsável pelos sintomas, é porque essa lesão está em outros campos de investigação e é por isso que a técnica está em contínua evolução. Por outro lado, é conveniente efetuar uma sessão por ano, a título preventivo, o paciente pode escolher realizar sessões a cada 6 meses para controle ou sempre que tiver sintomas agudos.

  • Como o fisioterapeuta percebe essas memórias na pele?

    +

    A sensação que o fisioterapeuta procura no corpo do paciente é a perda de ritmo vital. Qualquer atividade corporal tem seu ritmo vital dentro do organismo e também à superfície da pele. Estes ritmos vitais são percebidos pelas mãos como “micromovimentos”. O fisioterapeuta vai palpar diferentes zonas do corpo a fim de verificar se os ritmos são normais, essa palpação se faz em um movimento de aproximação das mãos. Se os ritmos estiverem ausentes, isso significa que existe uma “cicatriz”, fonte de uma disfunção na região ou a distância. É essa sensação que vai guiar o terapeuta a seguir o caminho que a agressão percorreu no corpo e consequentemente ativar sua auto cura.

  • Como é realizada a sessão?

    +

    Uma sessão de microfisioterapia dura cerca de 30 a 45 minutos. Após ter exposto as razões da consulta, o paciente, ainda vestido, se deita sobre uma maca. O fisioterapeuta vai primeiro localizar e identificar as cicatrizes que obstruem o corpo controlando os ritmos vitais. Ao detectar uma perturbação, ele vai usar palpações sutis para re-informar o organismo da presença desta cicatriz. Assim o corpo vai reencontrar a memória do choque, concentrar-se nela para eliminá-la definitivamente. O paciente permanece deitado durante a sessão e vai receber as informações dos bloqueios encontrados. Já nesse momento o corpo pode iniciar o processo de reconhecimento e eliminação do agressor, muitas vezes o paciente pode sentir cansaço e sonolência são percebidos antes que a sessão acabe.

  • Existem reações após a sessão?

    +

    O trabalho que o corpo inicia vai provocar um ligeiro cansaço durante 1 ou 2 dias. É, assim, indicado que o paciente descanse após a sessão (não fazer esforço físico desnecessário, não dirigir por um longo período de tempo…). Para que este cansaço seja mínimo, é aconselhado ingerir de 1,5 a 2 litros de água por dia nos próximos dias que seguem a sessão, para facilitar o trabalho de eliminação. É comum também os sintomas físicos como diarréia, vômito, aumento da dor, febre, crise emocional ou sentimento de raiva por um ou dois dias. Isso acontece como sinal de liberação das memórias agressoras, o paciente deve então descansar e deixar o sistem imunógico trabalhar, com o mínimo de interferência medicamentosa possível, nã esquecendo de beber muita água.

Ler Mais

Vídeos

Depoimentos

A Microfisioterapia para mim foi um processo de desintoxicação das dores vividas, quer seja em nível físico, emocional ou psicológico, me trouxe uma sensação de leveza muito grande, em relação à vida. A sensação de deixar para traz sentimentos que direcionavam minhas ações, sem que eu atentasse que aquela forma de agir não precisava mais se repetir, mas meu corpo me direcionava para tal. Então, conhecendo estas memórias que estavam registradas em meu corpo, tive a oportunidade de agora, com mais maturidade, reav...

R.D.

Para mim, posso dizer que a microfisioterapia está me devolveu partes da visão que, até então imaginava-se, ou melhor, os exames demonstravam que partes do nervo óptico do olho direito estava lesado. Há um ano atrás fui acometida de neurite óptica no olho direito. Fiquei internada por dez dias, realizando tratamento com corticóides, uma vez que os inúmeros exames realizados, tanto laboratoriais, quanto de líquor e imagem, não det...

E.D.P.

Meu nome é Heidi Robbe, tenho 51 anos de idade e a 5 meses tive a grande felicidade de conhecer a Microfisioterapia através da Caroline Nery! Eu sofria a 4 anos com as dores intensas da fibromialgia, além de várias outras enfermidades decorrentes do stress excessivo (insônia, psoríase, depressão e síndrome do cólon irritavel (SCI). Procurei vários médicos (alopatas e homeopatas) e fazia uso constante de medicamentos, sem que os problemas se resolvessem. Depois da primeira sessão de microfisioterapia eu m...

Heidi Robbe

Meu nome é Ana Paula. Sou mãe de um menino de 3 anos de nome Natan. Antes de completar 1 ano, o Natan desenvolveu um quadro clinico de otites recorrentes, com infecções, ruptura de tímpano e vazamento de secreções. Com 1 ano e 6 meses foi diagnosticado que ele tinha OMSB (otite média serosa bilateral) e DISACUSIA BILATERAL (perda de audição e audição difusa), para este caso seria recomendado cirurgia para colocaç&atild...

Ana Paula F Del Menezzi Barroso

Sou Elizangela, tenho 35 anos, enfrentei muitos problemas no meu caminhar o que mais me encomodava era o fato de não engravidar fiz desde os tratamentos mais simples até o mais eficaz como fertilização in vitro,  depois de três tentativas de implantação de embriões, e todas negativas,  fiquei sabendo por uma amiga essa técnica da microfisioterapia Caroline fiz duas sessões, e me senti ótima, fiz o próximo implante de emb...

Elizangela

Ler Mais